O tempo presente será passado um dia, o passado será lembrado no presente e o futro se tornará passado que sera lembrado no presente!
Drive de disquete - Disquete e drive: Floppy disk - Blog do Alê: Nostalgia em todos os termos - Anos 70, 80, 90 e Após


News
Loading...
Programas de TV - Músicas - Filmes - Séries - Desenhos - Novelas - Quadrinhos - Revistas - Brinquedos - Moda - Comercias - Brincadeiras - Eletrodomésticos - Veículos - Celebridades

Drive de disquete - Disquete e drive: Floppy disk


Disquete, também conhecido como diskette, disk ou floppy disk, é um tipo de disco de armazenamento composto por um disco de armazenamento magnético fino e flexível, selado por um plástico retangular, forrado com tecido que remove as partículas de poeira.

Apesar dos drives de disquetes serem baseados nos mesmos princípios dos HDs, eles são muito mais simples, já que trabalham com densidades e taxas de leitura muito mais baixas. De certa forma, os drives de disquetes lembram um pouco os HDs de 5 a 10 MB usados no início da década de 80, com seus motores de passo e mídias pouco confiáveis.


A mídia magnética de um disquete é composta de óxido de ferro, basicamente ferrugem. É aplicada uma fina camada desse material sobre um disco feito de plástico mylar, o mesmo utilizado nas antigas fitas K-7.

Assim como nos discos rígidos, os disquetes são divididos em trilhas e setores. A diferença é que, enquanto um disco rígido atual possui mais de 100.000 trilhas, um disquete de 1.44 MB possui apenas 80 trilhas. O número de setores também é muito menor, apenas 18 setores por trilha num disquete de 1.44, muito longe dos 1200 ou 1500 setores por trilha dos HDs.

Cada setor possui 512 bytes, o que dá um total 720 KB por face. Nos disquetes de 1.44 são usadas as duas faces do disco, chegando aos 1.44 MB nominais.

Como nos disquetes não é utilizado o recurso de Zoned Bit Recording, todas as trilhas possuem o mesmo número de setores. Falando em trilhas, uma curiosidade sobre os discos flexíveis é que apenas uma pequena faixa do disco é usada para gravar dados. A densidade em um disquete de 1.44 é de 135 trilhas por polegada. Como temos apenas 80 trilhas, é aproveitada uma faixa de apenas 1.5 cm do disquete, que começa a partir da borda do disco.

A velocidade de rotação nos drives de disquete também é muitas vezes menor que a dos discos rígidos. Enquanto nos HDs rotações de 7.200 RPM ou mais são norma, um drive de 1.44 trabalha com apenas 300 rotações por minuto, ou seja, apenas 5 rotações por segundo! Um dos motivos de ser utilizada uma velocidade de rotação tão baixa é a fragilidade da mídia magnética dos disquetes, que fatalmente seria danificada durante a leitura e gravação de dados caso fossem utilizadas velocidades mais altas.

Enquanto nos discos rígidos é utilizado um sistema magnético para movimentar as cabeças de leitura (o sistema voice-coil), que permite uma movimentação extremamente rápida e precisa, os drives de disquete ainda utilizam motores de passo, assim como os primeiros HDs.

Ao receber um impulso elétrico, o motor gera um movimento preciso que faz com que a cabeça de leitura percorra a distância correspondente a uma trilha. Como você pode ver na foto, a cabeça de leitura dentro do drive é ligada diretamente no eixo do motor e fica em contato direto com a mídia, ao invés de "flutuar" sobre ela como as cabeças de leitura dos HDs.

Apesar do motor de passo funcionar relativamente bem, ele é muito lento, fazendo com que a cabeça de leitura demore cerca de 200 milissegundos para se movimentar de um canto ao outro do disquete. Como o motor demora mais 200 milissegundos para concluir uma rotação completa, teríamos um tempo de acesso médio (somando o tempo de movimento da cabeça de leitura até a metade do disco, com o tempo de metade de uma rotação) de também 200 milissegundos, o que é quase 18 vezes mais lento que o tempo de acesso num HD razoável.

O mais impressionante sobre os drives de disquetes foi sua miraculosa sobrevida. Mesmo sem nenhuma inovação desde 1987 (quando os drives de 1.44 passaram a ser usados no IBM PS/2), os drives de disquetes ainda são usados em muitos micros novos ainda em 2007! Seja por necessidade de ler disquetes usados por colegas de trabalho, ou por puro masoquismo, até mesmo os donos de notebooks muitas vezes recorrem a drives de disquete USB.

Ao longo dessas duas décadas, houve diversas tentativas de criar um padrão atualizado para discos magnéticos removíveis, quase todas fracassadas. Os únicos que atingiram uma certa popularidade foram os discos Zip, de 100 MB e os LS-120 (de 120 MB ;). No passado, os discos zip chegaram a ser vendidos em papelarias, mas como eles eram caros, acabavam encalhando.

Para saber mais sobre o drive de disquete clique aqui

Amanhã o presente será passado! Alessandro Turci


1970 - 1971 - 1972 - 1973 - 1974 - 1975 - 1976 - 1977 - 1978 - 1979 - 1980 - 1981 - 1982 - 1983 - 1984 - 1985 - 1986 - 1987 - 1988 - 1989 - 1990 - 1991 - 1992 - 1993 - 1994 - 1995 - 1996 - 1997 - 1998 - 1999 - 2000 - 2001 - 2002 - 2003 - 2004 - 2005 - 2006 - 2007 - 2008 - 2009 - 2010 - 2011 - 2012 - 2013 - 2014 - 2015 - 2016 - 2017 - 2018 - 2019 - 2020 - 2021 - 2022 - 2023 - 2024 - 2025 - 2026 - 2027 - 2028 - 2029

Ao utilizar ou acessar o site, você concorda com o uso de Cookies do Blog do Alê Os cookies são usados para fazer com que os sites funcionem da forma mais eficaz; nós usamos cookies para melhorar a sua experiência ao visitar nosso site leia nossa Política de Cookies.
http://www.blogdoale.website